Eleições 2022: Romildo Bolzan Júnior, do céu ao inferno

Eleições 2022: Romildo Bolzan Júnior, do céu ao inferno

Imagem da capa: Correio do Povo

As eleições 2022 se aproximam, e alguns nomes despontam na frente de outros, seja na corrida presidencial ou nas estaduais. Entretanto, alguns nomes que outrora seriam fortes candidatos, perderam fôlego ao longo do tempo.

É o caso do Rio Grande do Sul e que curiosamente envolve o futebol, mas para entendermos melhor, precisamos voltar há alguns anos.

Romildo Bolzan Júnior, um homem envolvido na política, e que já havia sido prefeito da cidade de Osório, se elege presidente do Grêmio, com o apoio do maior presidente da história do clube, o saudoso Fábio Koff.

Era conselheiro há mais de 20 anos e teve uma cadeira no conselho de administração no biênio 2013/2014, no cargo de vice-presidente, e agora assumia como mandatário do clube, um dos gigantes do futebol brasileiro.

Seu primeiro ano foi sem títulos relevantes, nem mesmo o Campeonato Gaúcho que por vezes renegado, ao menos serve como um “prêmio de consolação” ao final da temporada.

Entretanto, mesmo sem vencer nenhuma competição, o presidente começa a mudar o rumo do time e seu modo de jogar futebol, ao contratar Roger Machado para assumir como treinador.

O Grêmio que sempre foi conhecido no país por ser um time de muita luta, raça e vontade, agora passaria a encantar a todos, com um futebol que mudou de patamar o clube e o fez ser manchete não só no Brasil, mas no mundo.

Todos falavam do modo de jogo implementado pelo técnico Roger, e como ele havia feito uma mudança estrutural histórica, do modo de jogar do time, que agora priorizava o jogo bonito.

Mesmo assim, o Grêmio não conseguia conquistar títulos, e por consequência encerrar o jejum de grandes conquistas que se completava 15 anos, mas isso estava prestes a mudar.

Na metade de 2016, Roger Machado saí do clube ao pedir demissão, e a direção resolve chamar o maior ídolo de sua história para assumir a equipe, o irreverente Renato Portaluppi (popularmente conhecido como Renato Gaúcho), campeão do mundo com o time em 1983, marcando os dois gols da vitória por 2 a 1 diante do Hamburgo, da Alemanha.

Imediatamente abraçado pelo torcedor, Renato inicia sua terceira passagem no clube de forma espetacular, conquistando no mesmo ano a Copa do Brasil e no ano seguinte a Copa Libertadores da América, trazendo o “tri” ao clube, e sendo vice campeão mundial ao perder de 1 a 0 para o Real Madrid na final.

Nesse meio tempo, com a moral elevada diante do torcedor, Romildo Bolzan não só conquistou títulos, mas também colocou as contas do clube em dia, e o time que antes era deficitário, passou a ser superavitário.

Ainda teve a conquista da Recopa Sul-americana e do Campeonato Gaúcho, em 2018, e diante desse cenário, começaram as especulações nos bastidores de que o “político” Romildo Bolzan poderia surgir em 2022, concorrendo no pleito estadual.

Parecia perfeito, ele havia garantido seu mandato no clube até o final de 2022, ou seja, sairia em abril do mesmo ano para concorrer e com boas chances de vencer, visto todo seu trabalho realizado no Grêmio, que o fazia ser lembrado de forma positiva por boa parte do estado.

Porém, após 2018, o time começa a ter uma queda de rendimento, e problemas começam a surgir. Em 2019, vence novamente o estadual, mas é eliminado por 5 a 0 pelo Flamengo na semi da libertadores, após uma série de bravatas ditas pelo técnico Renato a respeito do time, e é eliminado nos pênaltis pelo Athletico Paranaense, após tomar um revés de 2 a 0 em Curitiba (mesmo placar que havia vencido em Porto Alegre).

2020 chega e, embora mais um estadual tenha sido conquistado, o clube é eliminado da Libertadores nas quartas de final, com outra goleada, dessa vez para o Santos, e embora tenha chegado na final da Copa do Brasil, mostra pouco futebol e perde os dois jogos para o Palmeiras.

Além das eliminações, em nenhum momento o clube disputou de fato o título do Campeonato Brasileiro, sempre brigando apenas por uma vaga na competição continental. Mesmo assim, Romildo ainda tinha uma boa reputação, vide que o Grêmio que antes devia dinheiro, agora tinha em abundância. Porém tudo iria mudar na temporada 2021.

O ano começa turbulento, o time acabou indo para a pré Libertadores e, após passar pela 1° fase, caí na 2° fase para o Independiente del Valle, do Equador.

Esse foi o último jogo do técnico Renato, que após 5 anos no comando do time, se viu sem clima para continuar, e decidiu ir embora.

Tiago Nunes veio e conquistou o título estadual, mas não aguentou o começo ruim no campeonato nacional (7 jogos, 2 empates, 5 derrotas e nenhuma vitória), e foi demitido.

Mais uma vez, o mandatário recorre a um ídolo do Grêmio, um dos maiores treinadores do Brasil e do mundo, Luiz Felipe Scolari, o “Felipão”.

Felipão chega e, embora seja eliminado na Copa Sul-americana diante da LDU (mais um equatoriano), esboça uma reação, e conquista alguns pontos.

Todavia, não conseguiu em nenhum momento tirar o time da zona do rebaixamento, que desde o início do campeonato se encontra, e em comum acordo saiu do clube.

Agora o Grêmio está na penúltima colocação do campeonato, tem Vagner Mancini como técnico, e praticamente precisa de um “milagre” para evitar o descenso para a série B de 2022.

Romildo que, a algum tempo atrás dava muitas entrevistas e sempre era ativo nas coletivas, hoje já não parece fazer tanta questão.

Embora tenha colocado as contas em dia, transformado o Grêmio em um dos times mais ricos do Brasil, fez uma montagem ruim de elenco, tomou decisões erradas nos bastidores e, até o momento, vai derrubando o clube para a série B.

Embora nunca tenha assumido publicamente que poderia concorrer ao pleito estadual em 2022, era corriqueiro vê-lo em eventos partidários e atuando nos bastidores da política gaúcha.

Se ele iria concorrer mesmo, é algo que não podemos afirmar. Mas que, as chances de vitória nas próximas eleições são mínimas, isso é realidade. 

A impressão é que, ao pensar nas eleições, o presidente acabou terceirizando sua função para outros, e não prestando atenção no que ocorria dentro do clube.

No fim das contas, Romildo Bolzan Júnior está afundando o Grêmio para a 2° divisão nacional, e afundando também sua carreira política.

Quem diria, o futebol que tantas vezes ajudou a levantar candidaturas, está derrubando uma.


Quer escrever na Prensa?

Seja parte da nossa comunidade de Creators e contribua para uma internet melhor com artigos inteligentes, relevantes e humanos - que só você pode escrever.

Clique aqui para começar!


Topo