De saldo em saldo a galinha empacota

De saldo em saldo a galinha empacota

A herança de mais uma "página infeliz da nossa história". Charge: Laerte.

Em 2021 fomos líderes no desmatamento de florestas tropicais no mundo. De toda mata derrubada, em todo o planeta, 40% foi registrado nesse ponto ao sul do Equador. O relatório é da Global Forest Watch, ligada ao WRI (World Resources Institute) e à Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

Foram quase quatro milhões de hectares devastados, uma Holanda inteira queimada. O número é muito próximo ao desmatamento registrado apenas no Pantanal brasileiro, em 2020. 20% do bioma em um único ano.

O relatório da Global Forest Watch aponta que, desde o ano passado, o avanço tem subido em direção à Amazônia. Com potencial de destruição que excede, em muito, os limites da floresta. 

Isso impacta diretamente o Acordo de Paris, ratificado pelo Brasil, que pretende limitar o aquecimento global em 1,5 graus centígrados.

Para se ter uma ideia, esse aumento, cada vez mais difícil de frear, já significaria 15% da população mundial exposta a fortes ondas de calor – consequentemente a eventos extremos nos picos do verão e inverno. Sem contar o impacto na agricultura.

É a precificação de parte da humanidade. A parte vulnerável, claro.

Mas voltando aos cavaleiros do apocalipse. Deputados ruralistas, ligados à agenda de “flexibilização legislativa” para “exploração de recursos naturais”, assumem presidências de comissões, na câmara dos deputados, que pautam seus projetos. A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) é a porteira da boiada.

Ou a raposa cuidando do galinheiro.

Questões como o novo código de mineração e liberação desta atividade em terras indígenas (PL 191/20) são comissionadas por representantes diretos dos interesses em discussão. São públicos os encontros dos “legisladores” com “empresários do setor”.

Enquanto isso seguem denúncias de violências cometidas por garimpeiros contra os indígenas.

 E já que desgraça pouca é bobagem...

Abril também registrou a maior alta da inflação para o mês em 27 anos. Em abril de 1995 o Brasil vivia a expectativa do início da operação comercial de internet e tinha inflação. A alta atual, para variar, foi puxada pelos combustíveis, que levam de saída todo o resto.

O acumulado em doze meses já passou dos 12%. Estamos acima dos dois dígitos há mais de seis meses. É só parar ao lado das pessoas de frente à prateleira do mercado que, em algum momento, você vai ouvir baixinho o gemido – aquele gemido desconcertado: - tá tudo caro.

O ser humano tem uma capacidade angustiante de se acostumar a tudo. Normalizaram-se notícias de pessoas dando entrada no hospital com queimaduras porque foram fazer fogo para cozinhar com álcool e lenha. O gás é dos que mais sentiu a inflação.

Está na hora de restituir a única instituição que funcionou nos anos 80 nesse país. Chamem as fiscais do Sarney!

Mas sou voto vencido nesse tema, nosso problema é a condenação (mais do que justa) de um deputado (pode-se chamar aquilo disso?) cheio de creatina nas ideias que resolveu fazer discurso de ódio e pregar, entre outras coisas, torturas aos ministros do STF.

O último saldo do dia é essa total entrega à devassidão. Estamos mesmo precisando de “atos cívicos” em defesa de criminosos.

Sobre o relatório da GFW: Desmatamento: Brasil é líder na derrubada de florestas - 28/04/2022 - Ambiente - Folha (uol.com.br)

Sobre a boiada nas comissões legislativas:Ruralistas ocupam posições chave nas comissões permanentes da Câmara - De Olho nos Ruralistas

Sobre a violência contra indígenas: Ianomâmis denunciam garimpeiros por estupro e morte de menina de 12 anos | CNN Brasil

Sobre o dragão da inflação: IPCA-15: gasolina puxa alta, e prévia da inflação fica em 1,73% em abril, a maior para o mês desde 1995 | Economia | G1 (globo.com)


Quer escrever na Prensa?

Seja parte da nossa comunidade de Creators e contribua para uma internet melhor com artigos inteligentes, relevantes e humanos - que só você pode escrever.

Clique aqui para começar!


Topo