A América segue verde

A América segue verde

reprodução/Ettore Chiereguini (AGIF)

Criada em 1960, a Copa Libertadores da América certamente é o título mais importante para os times da América do Sul.

Disputado no decorrer de todo o ano, o torneio continental é, de certo, o maior objetivo dos times que eventualmente participam.

Desde os primórdios da competição o Brasil sempre foi muito bem representado pelos seus participantes. Desta vez, na 62ª edição do campeonato, em uma final disputada entre dois times brasileiros, o  Palmeiras sagrou-se campeão diante do Flamengo.

Na trave

Tendo sua primeira participação datada em 1961, e sendo o único brasileiro daquela edição, o novato Palmeiras conseguiu chegar até a final do campeonato, porém acabou sendo derrotado pelos uruguaios do Peñarol, que conquistavam seu bi-campeonato consecutivo.

Apesar de não ter conseguido levar a taça para casa, a participação do Palmeiras foi histórica. O clube perdeu apenas um jogo na competição, justamente a primeira partida da decisão onde amargou o placar magro de 1x0.

Em 1968, em meio a turbulências, o Palmeiras chega a sua segunda final de Liberta, porém deixa o título escapar. Nesta edição, o Alviverde empenhou-se para trazer o caneco para casa, todavia os argentinos do Estudiantes levaram a melhor.

Mesmo sem a conquista, o Palmeiras mais uma vez foi destaque na competição. Vencendo onze partidas das quinze disputadas, o time recebeu as condecorações pelo ataque mais letal daquela edição. 

Com destaque para José Ernâni da Costa, o Tupãzinho, que marcou onze dos vinte e seis gols do time no campeonato.

Mais de três décadas depois, no ano 2000, o confronto Brasil e Argentina voltou a protagonizar a final da Libertadores, desta vez, tendo a decisão realizada no estádio do Morumbi. 

O Palmeiras de Alex, Asprilla e Pena foi vice-campeão após perder a final para o Boca Juniors de Riquelme, Córdoba e Palermo, que foram superiores nas cobranças de pênaltis.

Mais uma vez a participação do Verdão na Libertadores foi emblemática. O time comandado por Felipão marcou história naquela edição após eliminar seu arquirrival, Corinthians, pelo segundo ano consecutivo, desta vez na semifinal.

Na ocasião, a estrela do já consagrado São Marcos brilhou mais uma vez, e em nova disputa de pênaltis, o goleiro defendeu a cobrança do craque Marcelinho Carioca, principal jogador do time adversário.

Pelas mãos do Santo

Imagem: reprodução Site Oficial do Palmeiras

Somente no ano de 1999 o Palmeiras conseguiu chegar a uma nova final do torneio continental, mas dessa vez para entrar definitivamente para a história da competição.

O Verdão vivia momentos de glória, principalmente por ter um elenco forrado de craques, como por exemplo Alex, Evair e Zinho, muito por conta da parceria feita com a marca Parmalat, que patrocinava o clube naquela época.

O que certamente não estava nos planos do time era ter que lidar com a lesão do goleiro Velloso, que logo após o início do campeonato machucou o pé em um dos treinamentos.

Visto que o reserva imediato, Sérgio, estava em um desencontro para renovação do seu contrato, coube ao novato Marcos vestir as luvas, e assumir o posto de goleiro titular do Verdão.

Nesta edição, o Palmeiras conseguiu se classificar para a fase de mata-mata em segundo lugar dentro do seu respectivo grupo, já o Corinthians, garantiu a classificação em primeiro lugar.

Em seguida, pelas oitavas de final, o Palmeiras enfrenta o Vasco da Gama, que teve sua vaga assegurada graças ao título da edição de 1998. Logo, o clube carioca lutava em busca de um bi-campeonato consecutivo.

Após um empate em São Paulo, o Verdão aplicou uma goleada de 4x2 em São Januário, e se classificou para a próxima fase.

Já nas quartas de final, o Derby paulista definiria quem seguiria adiante na competição. 

Após uma vitória do Verdão por 2x0 na primeira partida, o Corinthians teria que superar este placar para prosseguir no campeonato.

No confronto seguinte, ao término do tempo regulamentar, o Timão havia igualado placar sofrido no primeiro embate, portanto, a decisão seria definida nos pênaltis.

“Goleiro Maurício - Corinthians: vai depender um pouquinho da sorte, a gente correu atrás do resultado e conseguiu, e o Corinthians merece a classificação por tudo que fez na partida.
“Repórter César Augusto - Rede Globo: é o jogo da sua vida?
Goleiro Maurício - Corinthians: Com certeza!”

Nas cobranças, o goleiro corinthiano não realizou nenhuma defesa, já Marcos, além de levar a melhor no pênalti cobrado por Vampeta, também contou com a sorte na cobrança de Dinei, que acertou o travessão.

O que já não estava fácil, ficou ainda mais complicado para o Palmeiras que enfrentaria o River Plate da Argentina nas semifinais. 

Assim como o time brasileiro, o River já havia sido vice-campeão duas vezes, porém já havia levantado a taça em outras duas ocasiões.

Jogando na Argentina, o Palmeiras acabou perdendo pelo placar mínimo, porém, em solo brasilieiro a história foi diferente. O Palmeiras eliminou os argentinos vencendo pelo elástico placar de 3x0.

Passando por grandes times como Vasco da Gama, Corinthians e River Plate, o Palmeiras decidiu a final do campeonato frente ao Deportivo Cali, da Colômbia.

Após perder o primeiro jogo por 1x0 e vencer o segundo por 2x1, o Palmeiras teria que enfrentar uma nova decisão nos pênaltis. Naquele momento, já aclamado pela torcida, o goleiro Marcos contou com a sorte.

Na última cobrança, o craque do time colombiando, Zapata, escolhe o canto esquerdo, Marcos pula para o lado oposto e a bola caprichosamente beija a trave e vai para fora.

Narrador Galvão Bueno - Rede Globo: Aí vem Zapata para a cobrança. Partiu Zapata, sai que é sua Marcos, bateu, pra fora! 
Acabou! Acabou!
O Palmeiras é campeão da Libertadores!

Herói improvável

Imagem: reprodução/Nayra Halm FotoArena/Estadão Conteúdo

Após tropeços sequenciais entre de 2017 até 2019, na temporada de 2020 o Palmeiras voltou a disputar uma final de Libertadores. 

Após garantir a vaga em um disputadíssimo embate frente ao River Plate, o Verdão enfrentaria o Santos na grande final.

Apesar da semifinal digna de arrepios e sustos, a campanha do Palmeiras havia sido relativamente tranquila. Classificação sem apuros na fase de grupos e confrontos contra times pouco expressivos até a chegada da semi.

Ao contrário, o Santos de Cuca, que, apesar de ter garantido a classificação com facilidade na fase de grupos, desde a primeira etapa do mata-mata jogou contra adversários de alto escalão.

 Enquanto o Palmeiras garantia a classificação para as quartas, atropelando o equatoriano Delfín Sporting Club, o Peixe à duras penas eliminava o também equatoriano LDU. 

Simultâneo a classificação tranquila do Verdão frente ao Libertad do Paraguai, o Santos teve que suar a camisa para desbancar seu conterrâneo Grêmio.

E no momento em que o Palmeiras enfrentava a sua primeira “barra pesada” disputando vaga com o River Plate, o Santos batalhava frente ao principal rival do clube argentino, o tradicional Boca Juniors.

Por conta do histórico de confrontos no decorrer da competição, todos davam a vitória do Santos como certa na final.

"Tenho total confiança que o nosso time que vai se sagrar campeão”, Andrés Rueda - Ex-Presidente do Santos em entrevista a UOL.

Além do histórico de confrontos, o Santos contava com a experiência do técnico à frente do time. 

Alexi Stival, mais conhecido como Cuca, além da bagagem como jogador de futebol, já havia conquistado o título da Libertadores anteriormente, mais precisamente em 2013, quando comandava o Atlético Mineiro.

A final realizada no Maracanã teve poucos lances emocionantes, o jogo foi muito mais cadenciado e estudado.

Até que, o contestado e recém chegado Abel Ferreira, decide fazer uma substituição poucos minutos antes do término do jogo. 

O comandante português, debaixo de muitas críticas, opta por sacar o jovem revelação Gabriel Menino, e pôr em campo o pouco conhecido Breno Lopes.

Por fim, já nos instantes finais, Cuca foi expulso após um rápido desentendimento com o lateral palmeirense Marcos Rocha, e logo em seguida o Palmeiras marca.

Mais precisamente no último minuto de acréscimo, o camisa sete Rony cruza a bola na área, e Breno consegue cabecear para o gol. 

Com este tento, o Palmeiras sagrou-se bi-campeão da Libertadores sobre o arquirrival Santos.

Ascenção Alviverde e Rubro-negra

Certamente, o Palmeiras vem figurando dentre os principais clubes do Brasil desde 2015. 

Além do título da Libertadores recém conquistado, neste intervalo de tempo, o Verdão conquistou duas Copas do Brasil, dois Campeonatos Brasileiros e um título estadual.

Simultaneamente, o Flamengo também vivia momentos de ascendência, o que favoreceu a rivalidade entre os dois clubes.

Neste mesmo intervalo, o Mengão conquistou quatro títulos estaduais, dois Campeonatos Brasileiros, uma Copa Libertadores e um título da Supercopa do Brasil.

Em 2016, o time carioca brigava pelo título de campeão brasileiro, outrora o Palmeiras acabou levando a melhor sagrando-se campeão na ocasião. 

Dali pra frente, os confrontos entre as duas equipes ganharam um novo tempero, até mesmo por conta dos interesses em comum dos plantéis. Em suma, o Mengão acumulava uma quantidade de vitórias considerável frente ao Verdão. 

O último triunfo do time paulista havia sido em 2017, de lá pra cá o Flamengo foi superior.

Da fila à glória


Imagem: reprodução/SBT Sports

Na Copa Libertadores de 2021, o caminho do Palmeiras até a final foi completamente diferente do ano anterior. O time paulista enfrentou clubes fortes em todas as etapas do campeonato.

Por mais que a classificação também tenha sido tranquila, assim como em 2020, a fase seguinte garantiu muitas emoções ao torcedor alviverde.

De certo, o Flamengo também teve uma trilha difícil até a grande final, todavia com embates menos emocionantes do que o rival paulista.

Enquanto o time carioca vencia o Defensa y Justicia, Olimpia, e Barcelona de Guayaquil, respectivamente, a esquadra paulista batia o Universidad Católica, São Paulo, e por fim, o favorito ao título, Atlético Mineiro na semifinal.

Por conta do retrospecto recente, e também pela fase dos dois times no campeonato nacional, o Flamengo chegava até a final como preferido ao título. 

No Estádio Centenário no Uruguai, a torcida flamenguista era maioria significante frente aos palmeirenses, e já dava a vitória como certa.

Aos quatro minutos da etapa inicial, após assistência de Mayke, o meio campista Raphael Veiga abriu o placar para o time verde. Palmeiras 1 x 0 Flamengo.

“Esse jogo aí não é menos de três para o Flamengo. Não é menos e eu estou tranquilo, Flamengo 3x0 na final da Libertadores”,Comentarista Band - Edilson "Capetinha''.

Ainda nos quarenta e cinco minutos iniciais, o Mengão tentou empatar, todavia sem efetividade.

“Três a zero para o Flamengo, um do Michael e dois do Bruno Henrique e ponto”, comentarista Band - Ronaldo Giovanelli.

Próximo aos quinze minutos de bola rolando, o craque rubro negro Bruno Henrique saiu frente a frente com o goleiro Weverton, todavia o arqueiro do Palmeiras levou a melhor e impediu o gol do Flamengo.

“Vai ser um jogo difícil. Três a zero para o Flamengo”, comentarista SBT - Emerson Sheik.

Aos vinte e sete minutos da etapa final, Gabriel Barbosa, após ficar no “quase” em duas ocasiões, empatou para o plantel flamenguista após bela finalização no canto esquerdo.

Após o empate, as chances claras de gol diminuíram, todavia o Flamengo já apresentava um volume maior de jogo, mas sem reverter em gols.

Encerrados os noventa minutos regulamentares, a partida seguiu para a prorrogação.

Mais uma vez questionado, o técnico português Abel Ferreira opta por colocar Deyverson em campo, no lugar de Raphael Veiga que sentiu dores musculares.

“Em qualquer circunstância, o Palmeiras chegaria como azarão. O grande favorito é o Flamengo. Eu acho que todo mundo assume isso”, comentarista SBT - Andre Henning.
“Eu acho que ganharemos de dois a zero”, zagueiro do Flamengo - William Arão.
“O Flamengo vai amassar o Palmeiras, amassar com força o Palmeiras, sem chance”, comentarista SBT - Emerson ‘Sheik”.

Aos cinco minutos da primeira etapa da prorrogação, após falha da defesa do Flamengo, o atacante Deyverson saiu cara a cara com o goleiro Diego Alves e converteu. 

Palmeiras 2 x 1 Flamengo.

“Olha só o Deyverson, tentou e bateu pro gol. Gol é do Palmeiras. Deyverson, predestinado Deyverson”, narrador SBT - Téo José

Durante o pouco tempo restante, o Flamengo tentou igualar o marcador novamente, todavia sem sucesso.

Por fim, aos cento e vinte e seis minutos de jogo, o árbitro argentino Nestor Pitana encerrou a partida. 

Palmeiras tri-campeão sobre o favorito Flamengo.

“De qualquer maneira apita Nestor Pitana, a América continua verde. O Palmeiras é tricampeão da Libertadores da América”, narrador SBT - Téo José.

Com a terceira conquista, o Palmeiras entra no Hall dos times brasileiros com maior número de títulos no torneio.

E para você, o Palmeiras realmente era o azarão desta final?

Qual o futuro do Verdão após nova conquista?

A segurança da torcida e da mídia pode ter prejudicado o time carioca?


Quer escrever na Prensa?

Junte-se a uma comunidade de Creators que estão melhorando a internet com artigos inteligentes, relevantes e humanos. Além disso, seu artigo pode fazer parte do Projeto de Monetização, e você pode ganhar dinheiro com ele!

Clique aqui para se cadastrar e venha com a gente!


Topo