Crise, choro e desespero: a última transmissão da TV Tupi

Crise, choro e desespero: a última transmissão da TV Tupi
Bastidores da TV Tupi - Wikimedia Commons

Em 1980, a TV Brasileira viveu um dos momentos mais dramáticos da história. A TV Tupi, responsável por criar a linguagem da televisão brasileira, realizou por 18 horas, uma vigília ao vivo com funcionários, artistas e telespectadores da emissora visando evitar o fim do canal.

Responsável por revelar nomes importantes para o cenário cultural como Chacrinha, Silvio Santos, Hebe Camargo, Flávio Cavalcanti e Carlos Imperial, o canal teve a concessão cassada após definhar por anos com falta de verbas, salários atrasados e cancelamento de novelas de sucesso.

Em 17 de julho de 1980, um dia antes de sair do ar definitivamente, foi realizada a dramática vigília de funcionários da TV Tupi, nos estúdios da emissora. A transmissão, que durou cerca de 18 horas, onde cenas dramáticas foram exibidas ao vivo.

Mas o choro e o desespero dos funcionários e artistas, não foram considerados pelo então presidente João Figueiredo, que manteve a decisão do cancelamento da concessão que dava direito de manter a emissora no ar. As horas de desespero foram comandadas pelo apresentador e radialista Jorge Pelingeiro, voz conhecida por dar as notas das escolas de samba do Rio de Janeiro.

A crise que se instalou na emissora, impactou fortemente as produções da casa. Programas de auditório eram exibidos em situação precária. Por conta dos salários atrasados, muitos funcionários aderiram às greves, impactando as produções. No início de 1980, o setor de teledramaturgia foi fechado, interrompendo novelas que iam bem na audiência.

A novela “Drácula”, teve um caminho incomum na história da TV. Depois de ter as gravações interrompidas, a trama foi retomada em nova versão, exibida pela TV Bandeirantes.

Para o historiador Thiago Gomide, criador do perfil do TikTok “Tá na História”, canal com o objetivo de resgatar momentos da história do Brasil, a emissora tinha uma situação irreversível.

“A Tupi chegou aos meados dos anos 1970 com muitos problemas. Começou apresentar uma programação com a qualidade muito abaixo do que a população brasileira estava acostumada. Viu de perto a perda de talentos, encontrou um problema triplo: crise financeira, acusações de corrupção e falta de pagamentos a Previdência Social.

Processos movidos pela emissora, e claro, o distanciamento do que ela foi em um determinado momento. Além dos poderosos atores querendo participar do grupo seleto daqueles que mandavam na televisão brasileira naquele momento, a TV Globo”, disse.

Considerando o período político do Brasil, comandado pelo militar João Figueiredo, muito se falava de um possível boicote do governo militar contra a emissora. Para Thiago, a TV Tupi já estava mergulhada na crise, e dificilmente conseguiria se reerguer e voltar a ter dias de glória. “Não existiram motivos claros para que o governo militar provocasse a cassação. Na minha concepção, a TV Tupi sucumbiu por conta dos diversos problemas.” opinou.

O fim da concessão da TV Tupi possibilitou a inauguração de duas emissoras. A TVS, de Silvio Santos, que anos mais tarde se tornou o SBT, e a TV Manchete, uma emissora revolucionária que incomodou a TV Globo com programas infantis, documentários, transmissões do futebol e do carnaval. Por inúmeras vezes, a TV Manchete venceu a Globo na audiência.

A pioneira funcionava no Cassino da Urca, localizado na Zona Sul do Rio de Janeiro, o local é marcado por importantes eventos da cultura brasileira, e também foi palco de um dos momentos mais tensos da história do Brasil. O prédio, onde funcionava como um centro de apostas de jogos de azar, abrigou as produções da TV Tupi. Thiago Gomide explica a importância histórica do local.

“Para o Rio de Janeiro, a inauguração da TV Tupi foi forte por conta da proibição dos cassinos em 1946. Foi turbulento, repentino, apesar de várias tentativas de colocar um fim nas roletas ao longo dos anos. Aquele grande prédio do Cassino da Urca, emblemático, que apareceu em filmes de Walt Disney, foi também palco do florescimento artístico da cantora Carmem Miranda.

O prédio foi assumido pela emissora, e dali transmitiu vários programas dividindo espaço com São Paulo, compartilhando o protagonismo durante décadas. E é claro que as pessoas que frequentavam o cassino, aproveitavam para ir aos estúdios.” pontuou.

A emissora teve um papel fundamental para a difusão da cultura brasileira no Brasil e teve uma trajetória marcante. Ela foi a responsável pela primeira transmissão da TV no Brasil. O dono, o controverso empresário Assis Chateaubriand, contrabandeou alguns aparelhos televisores e os distribuiu na grande São Paulo. Gomide avalia o momento da inauguração como momento crucial para marcar a memória nacional e possibilitar que vários brasileiros tivessem uma visão geral sobre o Brasil.

“Nos Estados Unidos, a televisão já se mostrava um veículo muito forte de comunicação. É importante ressaltar, que na trajetória da Tupi, passou-se a ter uma relação forte do rádio com a TV, diferente dos Estados Unidos que tem uma relação do cinema, para a televisão. A Tupi marcou a memória nacional e abriu esse novo mundo.” disse.

Inauguração da TV no Brasil

A cerimônia onde a televisão foi oficialmente inaugurada no Brasil, foi simples para a grandiosidade da ocasião. No mesmo dia, foi exibido o programa “TV na Taba”, em alusão aos indígenas. O símbolo da emissora era um pequeno índio que apareceu nas telas anunciando: “Boa noite! Está no ar a televisão do Brasil”, a primeira frase transmitida pela televisão na voz da atriz Sonia Maria Dorce, com seis anos na época. A transmissão contou com grandes nomes como a apresentadora Hebe Camargo, a cantora Inezita Barroso, e a atriz Lolita Rodrigues.

Programas de auditório

Se hoje os programas de auditório abocanham boa parte da quantia dos patrocínios de grandes empresas, isso se deve ao período histórico que a TV Tupi vivenciou com programas dos apresentadores Chacrinha, Silvio Santos, Flávio Cavalcanti e Carlos Imperial. Após o fim da concessão, Silvio Santos levou da Tupi o “Programa Silvio Santos”, no ar até hoje, e o jornalístico “Aqui Agora”, que foi sucesso no SBT, nos anos 1990.

Novelas históricas 

A novela “Sua vida me pertence”, exibida pela Tupi em 1951 foi a primeira novela da televisão brasileira. A emissora colecionou sucessos como “Mulheres de Areia”, “A barba azul” e “A Viagem”. Estas três, escritas pela novelista Ivani Ribeiro, ganharam refilmagens anos depois na TV Globo. Em 1985, “A Gata comeu” foi a versão global de “A Barba Azul”. Na sequência, “Mulheres de Areia”, em 1993, e “A Viagem”, 1994.

Mesmo com o fim dramático, a TV Tupi implantou tudo o que chamamos mídia televisiva atualmente. Ressaltou a importância de conteúdo audiovisual para propagar a cultura do Brasil. Thiago Gomide conclui que a televisão tem grande importância para promover a cultura nacional.

“A televisão, seguindo os passos do rádio, é importante para unificação nacional. Para ajudar para que o povo entenda dos mais diferentes cantos do Brasil, lugares que jamais seriam observados se não existisse o investimento da televisão. A TV promove o turismo do nosso país no exterior. Várias novelas foram exportadas para outros países, e a televisão tem uma responsabilidade na tradução das nossas mais complexas e diferentes culturas.” finalizou.


Quer escrever na Prensa?

Junte-se a uma comunidade de Creators que estão melhorando a internet com artigos inteligentes, relevantes e humanos. Além disso, seu artigo pode fazer parte do Projeto de Monetização, e você pode ganhar dinheiro com ele!

Clique aqui para se cadastrar e venha com a gente!


Topo