Megavazamento coloca à venda os dados de 227 milhões de brasileiros

Megavazamento coloca à venda os dados de 227 milhões de brasileiros

Mais uma vez, milhões de brasileiros com dados críticos expostos. 


 

Nesta manhã, você pode ter acordado um pouco mais íntimo de cybercriminosos. 

Segundo matéria divulgada no TecMundo divulgou que hackers colocaram à venda dois arquivos pesados contendo informações críticas de milhões e milhões de brasileiros. As postagens foram feitas em um fórum da deep web. Os apelidos dos hackers em questão são “YZK” e “Sr_Siriguejo”. 

O primeiro arquivo, divulgado no dia 27 de julho de 2021, contém 13 mil digitalizações de documentos como RG, Carteiras de Motorista e CPF, além de cartões de crédito. O tamanho deste arquivo é de 1.2Gb. Não é possível saber quando estes dados foram roubados, mas a probabilidade, segundo o Tecmundo, é que são dados que constavam no banco de algum serviço que requer foto de documento para o cadastro.

O segundo arquivo, colocado no fórum no dia 26, expõe dados pessoais de 227 milhões de brasileiros. Segundo o hacker, os dados foram obtidos em 2019 via um servidor do DETRAN/DF. Os dados incluem nome completo, CPF, nome da mãe, endereço residencial, entre outros. O arquivo total tem tamanho de 37,7Gb.

Os dados já haviam sido colocados à disposição de compradores em vazamentos anteriores, mas é a primeira vez que os nomes das mães das vítimas aparecem junto com os outros dados. O hacker ainda inclui uma amostra grátis com dados de 2 milhões de brasileiros. A data limite dos documentos é de 2019, então aparentemente os documentos registrados após o ano não constam no vazamento.

O nome da mãe, lembremos, é um dado valioso, pois é necessário para diversos tipos de serviços.

Alessandra Martins, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Segurança, Proteção e Privacidade de Dados, alerta para o perigo que grande parte dos brasileiros agora corre.

“Há risco de fraude. Alguém pode transferir multas para a carteira de outras pessoas. Alguém pode pegar essas habilitações, imprimir e aplicar golpes por aí. Habilitação, se (o criminoso) trocar a foto e colocar a foto dele ou de terceiros, pode até se passar pela pessoa e abrir um crediário em uma loja ou contas em bancos, principalmente por aplicativos. Podem transferir multas para outras pessoas."

Ela continua: "Já existe um grande problema com as transferências de pontos por infrações nós departamentos de trânsito, imaginem, alguém com acesso a documentos válidos, alguém  pode transferir multa para a carteira de outras pessoas que nem sabem o que ocorreu, ou vender este tipo de serviço de transferência de multas.”

Alessandra ainda alerta que esse tipo de evento é o que alimenta o mercado ilegal.“(O criminoso) tem uma base com milhares de carteiras, e alguém que quer se livrar de uma multa, descobre o "serviço",  compra os dados, preenche os dados com a cópia de uma carteira dessas que foi exposta indevidamente e pronto. Até se comprovar a fraude, muito tempo já passou, alguém que não cometeu a infração pode ter além de perdido ponto, ainda pagar uma multa que nem é sua.”

É saudável assumir, portanto, que seus dados possivelmente estão nas mãos de criminosos. Não é nem a primeira vez que isso ocorre: em 2019 um vazamento expôs os dados de 70 milhões de brasileiros.

Sempre lembre-se de alguns passos que podem ajudar você a minimizar seus riscos online:

  • Instale antivírus em seu computador e celular;
  • Ative sempre a autenticação em dois fatores nos serviços que você utiliza;
  • Nunca, jamais, em hipótese alguma clique em links desconhecidos;
  • Nunca confie em ninguém pedindo dinheiro subitamente - sempre confirme a necessidade de depósitos bancários; especialmente se o pedido veio via WhatsApp. É importante a confirmação ser por voz.

E sempre exija melhores práticas de seus colegas, funcionários, empregadores e servidores públicos. Os cibercriminosos nunca param de melhorar seus métodos, mas muitas de nossas proteções estão enferrujando. 

Todo cuidado é pouco, e a primeira proteção dos seus é feita sempre por você. Proteja-se.


Quer escrever na Prensa?

Seja parte da nossa comunidade de Creators e contribua para uma internet melhor com artigos inteligentes, relevantes e humanos - que só você pode escrever.

Clique aqui para começar!


Topo