DevOps e ITOps: Como integrar estas duas áreas?

DevOps e ITOps: Como integrar estas duas áreas?

A cada dia mais fazemos parte de uma sociedade definida pela tecnologia, velocidade e inovação. As empresas precisam evoluir continuamente para atender às necessidades crescentes do mercado e disponibilizar produtos e serviços o mais rápido possível.

A Tecnologia da Informação é essencial para este processo, seja para uma empresa essencialmente de TI ou para aquelas que usam TI para produzir e entregar seus produtos e serviços. O número de aplicações criadas e utilizadas pelos negócios terá um crescimento de 55% nos próximos 2 anos.

Há algum tempo, a área de TI era uma só, separada em setores, mas com uma integração muito forte, por entender que tecnologia era uma coisa só. A infraestrutura já passou por computação centralizada, distribuída, física, virtual e, mais recentemente, nuvens privadas / públicas / hibridas. Assim como o desenvolvimento percorreu cenários execução local, client-server, web, integrações SOA e micros serviços, que vão responder por 47% das aplicações dos próximos 2 anos. Tudo muda! Aliás, a única constante é a mudança! Esses paradigmas evoluíram e os conceitos modernos já utilizam as definições de ITOps e DevOps.

Os conceitos evoluem com a necessidade de segmentação de responsabilidade e entregas e não mais à simples definição de hardware e software. Mas uma coisa que deve estar sempre latente é que, independente de nome ou definição, o foco de todas as áreas de uma empresa é sempre o negócio!

E é justamente pensando nesse foco que temos uma diuturna polêmica por detrás de indicadores, metas e objetivos. A área de DevOps precisa que a área de ITOps disponibilize infraestrutura para que os ativos  sejam feitos, testados e disponibilizados. Mas esta última, por vezes, desconhece a estratégia do desenvolvimento e tampouco, os recursos reais que são necessários para todas essas etapas.

Uma máxima é bastante empregada quando falamos desse assunto: “DevOps pede, no mínimo, o máximo, enquanto ITOps entregam, no máximo, o mínimo”. Talvez a falta de visão estratégica e o foco reduzido à sua área faz com que haja esse conflito de interesses. Minimizamos esse problema quanto trazemos à mesa a empatia: Dev e Infra um entendendo do que o outro precisa.

Os riscos, o custo e os gargalos envolvidos são conhecidos por todos: risco de perda de performance da aplicação e a experiência do usuário, aumento de custos por superdimensionamento da estrutura, tempo gasto com ferramentas de diversas plataformas, demora na entrega de apps devido a tarefas manuais ou ainda, automações baseadas em scripts hardcode e não impulsionar o negócio a integração das ferramentas, assim como uma visão multilateral dos indicadores, que criam inúmeras fontes de verdades.

Mas como fazer para essa negociação seja eficiente e a empresa não seja prejudicada por sentimentos alheios à estratégia corporativa? Como ser eficiente na liberação ágil de recursos locais / nuvem, ou mais de um desses juntos? Como superar os desafios e pressões para estas entregas mantenham todas as políticas de compliance e segurança corporativa, sabendo que 43% das organizações querem disponibilizar mudanças com frequência semanal ou menor?

Mas atender a todas essas demandas e fazer a gestão em ambientes de cloud híbrida, de uma forma dinâmica, porém sem uma solução que integre tudo o que é necessário e ainda tenha o suporte e segurança necessária não é fácil!

É aqui que entra uma estratégia de Cloud Operating Plataform, uma plataforma única, SaaS de gestão integrada, com visão e automação para ambientes de cloud pública e cloud privada, que traz agilidade e a experiência de consumo de recursos on-premisses similar a nuvem pública, toda esta visão e ações baseada em algoritmos sofisticados de Inteligência Artificial, criando a Cisco com Intersight.

Ela possui, dentre tantas outras soluções, uma plataforma SaaS de gestão de cloud hibrida que permite criar uma ponte entre as várias equipes e viabilizar uma entrega automatizada, em tempo real, de estrutura para os times demandantes de desenvolvimento. Assim como a otimização em tempo real, decidindo os melhores recursos e a melhor estrutura para processar as aplicações, além das configurações mais eficientes disponíveis no provedor, com alcance abrangente em qualquer infraestrutura e qualquer carga de trabalho e balanceando controle, custo e risco. Apresentamos o Cisco Intersight, a primeira plataforma de operações de cloud com gerenciamento agnóstico entre nuvens públicas e privadas.

Essa plataforma cria uma ponte e visa mostrar à importância da integração para a fluidez e aumento de desempenho das equipes, assim como mostrar para cada uma delas a importância da outra e que, integradas e unidas, são mais fortes que separadas, trazendo eficiência, reduzindo o overhead operacional e contendo os custos dentro das fronteiras da performance.


Quer escrever na Prensa?

Junte-se a uma comunidade de Creators que estão melhorando a internet com artigos inteligentes, relevantes e humanos. Além disso, seu artigo pode fazer parte do Projeto de Monetização, e você pode ganhar dinheiro com ele!

Clique aqui para se cadastrar e venha com a gente!


Topo