A Prensa foi feita para os ávidos e inconformados.

It's me! - 40 anos do encanador

It's me! - 40 anos do encanador

No passado distante de 2016, quando ainda pensávamos que o início da próxima década seria normal, um detalhe da cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro trouxe um sorriso para todos os espectadores e atletas. 

Shinzo Abe, então primeiro-ministro do Japão, surgiu no meio da arena, saído de um gigantesco cano verde, atrapalhado com um macacão azul e com um boné vermelho. Estava lá para representar o Japão como próxima sede das Olimpíadas, que teriam acontecido em 2020 se não fosse a pandemia.

A piada não é só uma maneira perfeita de ilustrar esse lado da identidade cultural japonesa - o grau de importância da cultura pop. Mas também é uma demonstração da força de um dos poucos personagens que transcendeu a mídia dos games sem manter uma presença forte em outros formatos (outra forma de dizer que todos preferem esquecer a versão cinematográfica de 1993).

Cogumelo Vermelho

Poucas vezes vimos Mario, o encanador italiano que praticamente inventou o verbo pular no mundo dos games, em quadrinhos, animações ou brinquedos nestes 40 anos desde que apareceu pela primeira vez, ainda chamado de Jumpman, no arcade Donkey Kong

Parte deste sucesso se dá pela simplicidade dos jogos que estrelam o bigodudo. Uma das diretrizes no design de jogos da Nintendo, desenvolvedora dos games do Mario, é sempre a de escolher uma mecânica, ferramenta ou conceito e tentar extrapolar aos poucos as possibilidades.

Com uma mistura muito inteligente de design de níveis e narrativa visual, os jogos da série sempre te dão a quantidade exata de informação que você precisa para atingir um objetivo, para só então complicar um pouco mais, adicionar camadas, contextos, chapéus de outras cores.

Isto pode parecer tão óbvio quanto “precisamos aprender a andar antes de correr”, mas não só a quantidade de jogos no mercado que perdem seu público, quanto o sucesso constante - tanto de público quanto de crítica - dos games da Nintendo demonstram que há uma diferença de approach, e essa diferença não é só de design visual ou de público alvo. 

Shinzo Abe no encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016 (AP Photo/Vincent Thian)

Design Inteligente

Na verdade, uma das principais jogadas de mestre dos criativos por trás dos jogos da Nintendo é o foco que dão à mais acessível de todas as facetas de um jogo: como você o joga. Inúmeros games do mercado apresentam um foco em personagens, narrativas, estilos artísticos ou simplesmente o gênero ao qual pertencem. Designers da Nintendo só tentam se preocupar com essas coisas quando já definiram o aspecto central da jogabilidade, e constróem tudo em volta deste fator.

O ensaísta visual Mark Brown discute isso em seu vídeo sobre os trunfos de design da Nintendo. É surpreendente aprender, por exemplo, como todo o aspecto narrativo de um amado clássico como The Legend of Zelda - Ocarina of Time existe só para servir uma função de design - Shigeru Miyamoto (o mestre por trás da criação de quase tudo da Nintendo) simplesmente queria que o protagonista pudesse ser criança e adolescente no mesmo jogo.

Décadas insistindo que seus jogos sejam convidativos e divertidos, focando muito mais na experiência de quem está segurando o joystick do que em qualquer outro aspecto fez bastante diferença.

Não há pessoa dentro do mercado de games que ouse apostar contra a Nintendo em nenhuma empreitada, por mais maluca que seja. Foi a Nintendo que deu o pulo para tirar os gamers do sofá - primeiro com o Nintendo Wii, e depois, indiretamente, com o fenômeno que foi Pokémon Go.

O resultado é que um encanador italiano entra em encanamentos verdes para salvar a princesa de um reino de cogumelos, raptada por uma tartaruga-dragão, auxiliado por um dinossauro verde e um cogumelo senciente. Não há absolutamente nada que faça sentido dentro do conceito de mundo da saga dos jogos de Super Mario, e mesmo assim todo mundo joga.

Todo mundo pula. Todo mundo reconhece e sabe quem é.

Em 1981, ele apareceu, e em 1983, protagonizou seu primeiro jogo. São 40 anos de aventuras malucas atrás de princesas, estrelas e castelos. 

A grande força do Super Mario foi convidar virtualmente todo mundo para participar.

Foto da capa: Nintendo

Topo