Prazeres Violentos - Entre Romeu e Julieta e Peaky Blinders

Prazeres Violentos - Entre Romeu e Julieta e Peaky Blinders

Imagem: Prazeres Violmentos Chloe Gong

Xangai, 1926, a cidade ferve com as diferentes organizações que tentam comandá-la. De um lado, os estrangeiros com suas sanções e embargos, do outro, o Partido Comunista chinês que cresce e busca livrar seu território destes estrangeiros e no meio de tudo, os gangsters que comandam a cidade à gerações e não estão tão preocupados assim com o clima político, afinal, seu poder é absoluto 

Duas famílias, cada uma governado uma parte de Xangai. Os russos Rosas Brancas, cujo herdeiro é o jovem Roma Montagova e a Sociedade Escarlate que vê seu futuro nas mãos de Juliet Cai. Acontece que Roma e Juliet foram apaixonados na adolescência, mas tudo terminou em desastre e hoje não existe nada além de ressentimento e ódio.

Entretanto, algo mais espreita Xangai. Relatos de um monstro que deixa as águas do rio e espalha insanidade entre as pessoas, vão levar os dois herdeiros das casas rivais a uma trégua em busca da solução para esse caos 

Prazeres Violentos é uma releitura de Romeu e Julieta que nos transporta para a China dos anos 1920 e ainda consegue colocar um toque de fantasia. Como todos esses elementos tão distintos funcionam, eu não sei, mas Chloe Gong realmente conseguiu unir tudo isso em uma ótima história.

A ambientação

O primeiro ponto que brilha nesse livro foi a forma como a autora nos apresentou esse mundo. Xangai ferve por vários motivos e o leitor consegue sentir toda essa ebulição nas páginas.

Temos o caos da violência aliado ao glamour enviesado da vida dos gangsters ao mesmo tempo em que sentimos a tensão política com países como Inglaterra e França tentando dominar o lugar e os chineses nada satisfeitos com isso, com uma revolução prestes a explodir.

Chloe Gong fez uma extensa pesquisa histórica para entender esse cenário e ela foi brilhante ao nos inserir nesse contexto, sem ser expositiva, passando muito mais a sensação do clima do que fazendo relatos. Só por esse motivo, já fica meu elogio.

Os personagens

Bom, Xangai é inegavelmente uma personagem desse livro, mas vamos a quem nos conduz pela história.

Roma foi fácil de gostar desde o início. Ele entende muito bem seu papel entre os Rosas Brancas e gosta do poder que ser um gangster lhe traz para proteger os seus, mas ele tem um relacionamento conturbado  com seu pai e na verdade, detesta a violência de seu mundo.

Em sua companhia estão sempre seus melhores amigos e mais leais seguidores. Benedickt, seu primo centrado e que busca ser a voz da razão e o volátil e divertido Marshall. 

Eu adoraria, inclusive, ter visto mais cenas dos dois. É óbvio que um sente algo pelo outro, mas tudo fica na tensão e expectativa. Definitivamente, o núcleo dos rosas brancas foi meu favorito.

Enquanto isso, gostar de Juliet foi um pouco mais difícil. A herdeira escarlate cresceu no exterior, vindo à Xangai em períodos pontuais (um desses sendo quando ela e Roma se apaixonaram), sendo assim, ela se sente diferente e faz questão de ressaltar esses detalhes. Pessoalmente não gosto muito de personagens "eu sou diferente de todas as outras", então demorei para me apegar à protagonista.

Mas Chloe Gong desenvolve bem seus personagens, então, com o passar do tempo comecei a gostar de Juliet e entender suas questões internas. Ela é uma pessoa que não consegue se encaixar em nenhuma das sociedades em que vive, então busca aquilo que lhe faz bem, mesmo que isso incomode outros.

Confesso que uma garota ser a herdeira de uma sociedade de gangsters chineses em 1926 foi bem difícil de comprar, mas, como já falado antes, a autora fez uma extensa pesquisa do período e é sabido que muitas minorias na China tinham mais liberdade antes do Partido Comunista tomar o poder, então parei de implicar com esse fato e depois disso, o núcleo dos Escarlates fluiu mais facilmente para mim.

Juliet, ao contrário de Roma, não tem muitos problemas com a violência que a cerca. Ela está muito mais preocupada em ter que constantemente se afirmar como a futura líder de sua casa para aqueles que esperam qualquer sinal de fraqueza para derrubá-la.

Ela também conta com duas companheiras, suas primas, Rosalind e Kathleen. Apesar de Kathleen ser uma menina trans e de a autora ter conseguido fazer sua história funcionar dentro desse contexto, não consegui me apegar tanto a elas.

O romance

Romeu e Julieta é a história de amor mais famosa do mundo. E sim, Shakespeare queria passar outras mensagens com a peça além do precipitado e trágico amor juvenil, mas isso não torna menos bonita essa história.

Sendo assim, Roma e Juliet tem que funcionar também como esse amor impossível e a autora conseguiu tornar tudo ainda melhor criando uma nova dinâmica para os dois. Eles se odeiam no início do livro e vamos aos poucos descobrindo o que aconteceu entre eles.

Eu adorei a interação e as cenas do casal. Eles se conhecem muito bem e apesar de toda a raiva, trabalham bem juntos justamente por isso. A química entre os dois é ótima e estou ansiosa para seguir acompanhando essa história.

Mas e a fantasia funciona?

Ao ler a sinopse, a premissa do monstro é a mais destoante de tudo, porém, esse não é apenas um plot que move a história, como traz curiosidade e instiga o leitor a acompanhar a investigação. Além disso, a sensação de que qualquer pessoa pode se tornar vítima da loucura que ele traz é constante. São personagens com os quais nos importamos e torcemos por eles.

Para quem recomendo

Bom, se você já achou qualquer um desses elementos interessantes, com certeza é uma leitura recomendada.

Mas, apesar de ter pontos fantásticos como a ambientação e os personagens, esse livro não é livre de defeitos. Como já disse, o núcleo da Sociedade Escarlate não é tão instigante e acredito que o livro não precisava ser tão grande, em alguns momentos, a leitura ficou um pouco cansativa.

Mas com certeza, os elogios são mais fortes que as reclamações. Além disso, essa história é uma duologia, o último já foi publicado lá fora e em breve deve chegar aqui no Brasil pela editora Alta.

E você, se animou para essa leitura? Me conta nos comentários.


Quer escrever na Prensa?

Junte-se a uma comunidade de Creators que estão melhorando a internet com artigos inteligentes, relevantes e humanos. Além disso, seu artigo pode fazer parte do Projeto de Monetização, e você pode ganhar dinheiro com ele!

Clique aqui para se cadastrar e venha com a gente!


Topo