Quem cuida de quem cuida? - Além das subidas dos morros. Ilhabela - parte 2

Quem cuida de quem cuida? - Além das subidas dos morros. Ilhabela - parte 2

Imagem: arquivo pessoal Grupo Semear

Autocuidado virou um termo forte nos últimos anos, se cuidar é realmente necessário, fortalecer seu corpo, sua mente, tirar um momento para fazer por si mesmo o que ninguém pode fazer, mas nós temos esse tempo?

Hoje vamos voltar para Ilhabela, ainda subindo os morros, um pouco mais além, no alto da Barra velha, no bairro dos Carijós, numa rua sem saída chamada Jacaraci.

Tantos nomes indígenas e africanos mostram que a construção desse lugar foi indígena e preta e lá no alto existe um quilombo diferente do último que contei.

Um quilombo periférico de resistência e força chamado “Semear”, quem lidera é uma Rainha de nome Silvana dos Santos Domingues, mas aqui entre todos ela é conhecida como a Nega da Capoeira — natural de São Vicente, chegou em Ilhabela há mais de 30 anos  —  começou num pequeno espaço na sua casa a “afrobetizar” (como ela mesma sempre explica) através da capoeira, maculelê, samba de roda e outras manifestações culturais do povo preto.

Junto com seu ex-companheiro, mas ainda parceiro de luta, Mestre Besouro, formaram o que hoje é o Grupo Organizado Semear  —  uma instituição preta, autônoma, sem fins lucrativos  —  um Quilombo que reexiste na periferia de Ilhabela.

Nino meu guia, meu irmão, meu amigo, atualmente é o presidente do Grupo Semear e me contou toda a trajetória do espaço e como a Nega tem sido o alicerce de diversas famílias pretas e em vulnerabilidade da ilha.

O projeto semear educa, alimenta, veste crianças e adultos, já foi pastoral afro, colocou comida na mesa de famílias durante a pandemia, alfabetizou adultos, afrobetiza crianças e adolescentes, direciona, escuta, acolhe, chama na responsabilidade racial e social, pressiona o poder público.

Faz tudo e mais um pouco colocando essas crianças no caminho que acreditam ser necessário pra sobreviver nesse mundo tão violento, tudo isso na pessoa Nega da Capoeira.

Nega é um desses exemplos, aliás desses personagens históricos e esquecidos na história de um país racista, uma potência preta que parafraseando Baco Exu do Blues, é como "Atlas que sente o peso do mundo nas suas costas”, é como Elza Soares, uma dessas mulheres do fim do mundo, a mãe de metade dessa Ilhabela, mãe dos movimentos negros, mãe da luta, mas quem cuida de quem cuida?

Nega da Capoeira, tem nome, sobrenome e vida própria além do Semear, vive com muitas mulheres pretas, da faxina, trabalho digno inclusive, onde formou uma cooperativa de Limpeza para direcionar mães e pais que precisam trabalhar, e formou até pessoas que precisam dos serviços, mas é de admirar e estranhar que uma mulher tão grande, tão potente, não possa se dedicar em tempo integral aquilo que mais ama, o Grupo Semear!

Onde estamos errando na rota? Quem está cuidando dos nossos cuidadores? Quem cuida das nossas matriarcas, das nossas lideranças?

Sempre que vemos alguém fazendo algo que pra nós parece impossível, quando vemos uma liderança, apontando para frente e abrindo os caminhos com nervos de aço e punho cerrado, esquecemos que naquele corpo político habita um ser humano, alguém que precisa de afeto, de afago, de cuidado, de escuta, de descanso, principalmente de descanso, precisa muitas vezes de braços que ajudem a sustentar o peso do próprio corpo cansado de tanta responsabilidade, de ombros pra chorar, de gente que diga “estou aqui, você não está sozinho”.

Precisamos humanizar nossos tantos Zumbis, Dandaras, Mallcolm”s, Garveys, Besouros e Negas da Capoeira, é urgente cuidar de quem nos cuida, é urgente nos responsabilizar por aqueles que se responsabilizam por tantos.

Cuidar dos nossos mais velhos, dos nossos pais e mães, dos nossos irmãos, daqueles que já estão a mais tempo sendo cuidadosos com o mundo, daqueles que carregam a herança da nossa história, antes que eles se vão e fiquem apenas a lembrança distante, deem flores em vida, deem afeto em vida.

Reconhecimento e a certeza da continuidade do trabalho deles.

Nega meu amor, espero que essas palavras cheguem até você, e principalmente até aqueles que estão perto de você, que você e tantas outras lideranças sejam cuidadas e recebam no tempo de hoje tudo que tem ofertado ao mundo.

Uma honra viver na mesma época que ti e sentir essa força da natureza que é tua presença.

Sua benção mãe!

E para aqueles que querem conhecer mais e ajudar a cuidar deixo aqui a página do grupo.

Instagram: @grupo.organizado.semear


Quer escrever na Prensa?

Junte-se a uma comunidade de Creators que estão melhorando a internet com artigos inteligentes, relevantes e humanos. Além disso, seu artigo pode fazer parte do Projeto de Monetização, e você pode ganhar dinheiro com ele!

Clique aqui para se cadastrar e venha com a gente!


Topo